Ainda e sempre as oficinas

Durante 50 anos pelas oficinas passaram muitas gerações de alunos, de pais para filhos. Cumpriram a sua função, de permeio com várias intervenções, obras de melhoria ou manutenção, por entre muitas intempéries, entre os zero e os 40 graus – quem não se lembra da sala 40 e dos alunos enrolados em mantas e cobertores – e é a sua vez de chegar a reconstruções verdadeiramente restauradoras. Pensou-se que iriam ser arrasadas para a construção do novo bloco. Assim não pensou Maria João Leite, ex aluna da escola e arquiteta da câmara encarregue do projeto que, aproveitando as estruturas de 1970, concebeu aquilo que se pode divisar nas fotos, mantendo várias marcas da patine e grafities que o tempo carimbou na memória de todos. Uma aluna diz no início das memórias que agora vamos publicando o quanto se lembra da escola através dos cheiro das salas de aulas. E assim é: se o património humano é o legado mais importante de uma instituição escolar, não podemos negligenciar o vínculo do espaço com as vivência dele de professores, funcionários e alunos.

Que se preservem as velhas oficinas na memória e agora se saúde a sua reedificação para usufruto de todos.

3 thoughts on “Ainda e sempre as oficinas”

  1. Cláudia Espanha Proença

    As mãos pintadas na parede, símbolo dos Direitos Humanos. Lembro-me da tarde em que pintámos com a ajuda do Nelson, do projeto EADH!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *